Programa de Intervenção Comunitária Leader+
O PIC Leader+ está encerrado.
Inseriu-se no III Quadro Comunitário de Apoio no período entre 2000 e 2006.

OBJECTIVOS DO PROGRAMA
Esta iniciativa comunitária visou incentivar a aplicação de estratégias originais de desenvolvimento sustentável integradas, cujo objeto foi a experimentação de novas formas de:
· Valorização do património natural e cultural
· Reforço do ambiente económico, no sentido de contribuir para a criação de postos de trabalho
· Melhoria da capacidade organizacional das respetivas comunidades
Os objetivos específicos do LEADER+ para Portugal foram: mobilizar, reforçar e aperfeiçoar a iniciativa, a organização e as competências locais; incentivar e melhorar a cooperação entre os territórios rurais; promover a valorização e a qualificação dos espaços rurais, transformando estes em espaços de oportunidades; garantir novas abordagens de desenvolvimento, integradas e sustentáveis; dinamizar e assegurar a divulgação de saberes e conhecimentos e a transferência de experiências ao nível europeu.

AÇÕES PRIORITÁRIAS
Vetor 1 - apoio a estratégias territoriais de desenvolvimento rural, integradas e de carácter piloto, assentes na abordagem ascendente e de parceria horizontal.
Vetor 2 - apoio à cooperação interterritorial e transnacional.
Vetor 3 - colocação em rede de um conjunto dos territórios rurais da Comunidade Europeia, beneficiários ou não do LEADER+, bem como de todos os agentes de desenvolvimento rural.

Em relação ao VETOR 1, a estratégia foi integrada na aceção de uma abordagem global e assente na interação dos agentes, sectores e projetos em torno de um tema forte característico da identidade e dos recursos bem como dos diversos ramos específicos do saber fazer do território e representativo do conjunto dos agentes e dos projetos.

Os temas que a Comissão considerou de interesse europeu foram:
· Utilização de novos repositórios de saber fazer e de novas tecnologias para tornar mais competitivos os produtos e serviços dos territórios;
· Melhoria de qualidade de vida das zonas rurais;
· Valorização dos produtos locais facilitando o seu acesso ao mercado;
· Valorização dos recursos naturais e culturais, incluindo a valorização dos sítios de importância comunitária da rede Natura 2000.

A Comissão apoiou prioritariamente as estratégias que visam melhorar as possibilidades de emprego e/ou de atividades para os jovens e mulheres.

A estratégia pretendeu demonstrar o seu carácter piloto apreciado em termos de:
· Emergência de novos produtos e serviços que incorporem as especificidades locais;
· Novos métodos que permitiram combinar entre si os recursos humanos, naturais e/ou financeiros do território, conduzindo a uma melhor utilização do seu potencial endógeno;
· Combinação e ligações entre sectores de economia tradicionalmente separados uns dos outros;
· Formas originais de organização e implicação da população local nos processos de decisão e execução dos projetos.

O VETOR 2 teve por objetivo incentivar e apoiar a cooperação entre os territórios nacionais (cooperação interterritorial) ou de diversos países (cooperação transnacional). Esta cooperação assentou na realização de uma ação comum.

De acordo com o VETOR 3 a participação ativa na rede teve um carácter obrigatório para todos os beneficiários do LEADER+ e traduziu-se na disponibilização do conjunto das informações necessárias sobre as ações empreendidas e os resultados obtidos.

TERRITÓRIO DE ATUAÇÃO DA DOLMEN
População (habitantes): 97.288
Superfície (em km2): 681
Densidade populacional (habitantes/km2): 143
Número de municípios: 6 (Amarante, Baião, Marco de Canaveses, Cinfães, Resende e Penafiel)
Descrição das características físicas da área: Território enquadrado entre dois grandes rios — Interflúvio Douro-Tâmega. O primeiro projeta-nos no espaçoibérico, identificando-nos o outro em termos regionais. Ambos reúnem uma extensa rede hidrográfica de rara beleza. Percorrendo o território de Norte para Sul, sucedem-se Serras – Marão, Aboboreira, Montedeiras e Faldas do Montemuro — e vales cavados pelos inúmeros riachos que fazem as delícias dos amantes da pesca desportiva.
Descrição das características socioeconómicas da área: A proximidade à Área Metropolitana do Porto, as acessibilidades facilitadas pela A4/IP4 e pela Linha do Douro, potencializam toda a economia da região, sendo de salientar a complementaridade turística existente entre a via fluvial do Douro e o Caminho-de-ferro. A existência de produtos tradicionais de qualidade e de vinhos de uma grande qualidade e diversidade — Palhete, Verde Branco e Tinto, Vinho Regional, Espumante Natural de Vinho Verde e da casta sui generis de Baião: o Avesso — aliada a uma gastronomia associada à cultura popular e erudita, bem como a existência de um artesanato vivo e diversificado, além de equipamentos sociais e culturais devidamente dinamizados, como por exemplo a Casa do Lavrador, a Fundação Eça de Queiroz, o Centro Comercial e Artesanal do Cavalinho, o Museu Amadeu de Sousa Cardoso, são a certeza de um território que se projetará no futuro.
Principais atividades económicas: No interior do território as indústrias extrativas (granito), construção civil, silvicultura, comércio tradicional, restauração e turismo, bem como agricultura (sobretudo vitivinicultura) são as atividades económicas mais relevantes. O artesanato, salvo raras exceções, surge aqui como forma complementar de rendimento (agricultores e empregados nos serviços/indústria). Em meio rural têm surgido iniciativas ligadas à educação, designadamente no domínio das Escolas Profissionais.

ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO
. Financiamento total: 4.094.891€
. Contribuição da UE: 2.443.312€
. Outros fundos públicos: 842.724€
. Fundos privados: 808.856€

Breve descrição da estratégia de desenvolvimento
Tema Federador e Estratégia Local: A aposta estratégica deste PDL assentou no tema forte: Valorização dos Produtos Locais, utilizando-se a qualidade dos produtos do território como os seus melhores embaixadores. A existência de um Mundo Rural Vivo, com alguma dinâmica a nível de criação do próprio emprego, a proximidade de mercados (Porto e cidades polarizadoras do território Penafiel, Amarante e Marco) validam esta opção. Por outro lado, não há economia sem população e um território sem população, acaba por perder a sua matriz cultural. Ao apostarmos na valorização dos produtos locais, não abstraímos de quem os produz, ou seja aqueles que com a sua resistência, o seu apego à Terra preservam a identidade de um povo, no seio da União Europeia, valorizando-a, assegurando a riqueza da sua diversidade a nível cultural.
Objetivos gerais e específicos:
. Gerais: Promover o desenvolvimento sustentável do Território, valorizando os recursos endógenos, designadamente Produtos Locais, reforçando a coesão interna do mesmo e do Entre Douro e Minho.
. Específicos:
   1. Valorização dos saberes e fazeres locais, qualificando, promovendo e comercializando produtos locais;
   2. Reforço da capacidade de atração turística do território, valorizando e estruturando os valores patrimoniais e diversificação da oferta de produtos locais;
   3. Potenciar os valores, saberes, fazeres e sabores do Interflúvio, dinamizando e promovendo atividades com impacto a nível regional e nacional;
   4. Qualificar/requalificar recursos humanos de estratos jovens, mulheres desempregadas e pequenos agricultores;
   5. Afirmação do Interflúvio como destino privilegiado de lazer, cultura e consumo de produtos tradicionais de qualidade, nos mercados do Porto, Galiza, Castilla-Leon e Lisboa.

Medidas e submedidas:
. Medida 1. Investimentos;
.. Submedida 1.1. Investimentos em infraestruturas;
... Ação 1.1.1. Recuperação e Revitalização de Feiras Tradicionais;
... Ação 1.1.2. Espaços de Cultura e Lazer;
... Ação 1.1.3. Centros de Interpretação da Natureza;
.. Submedida 1.2. Apoio a atividades produtivas;
... Ação 1.2.1. Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Locais;
.... 1.2.1.1. Artesanato;
.... 1.2.1.2. Gastronomia;
.... 1.2.1.3. Vitivinicultura;
.... 1.2.1.4. Agroindústria Experimental;
.... 1.2.1.5. Apoio a pequena agricultura tradicional;
... Ação 1.2.2. Multifuncionalidade da Agricultura;
.... 1.2.2.1. Diversificação da oferta de alojamento em meio rural;
.... 1.2.2.2. Iniciativas inovadoras em meio rural;
.... 1.2.2.3. Recuperação de equipamentos rurais;
... Ação 1.2.3. Melhoria das condições de funcionamento de Unidades Produtivas;
.... 1.2.3.1. TER;
.... 1.2.3.2. Restauração;
.... 1.2.3.3. Pequeno Comércio e Serviços Tradicionais;
... Ação 1.2.4. Inovação e Desenvolvimento: Turismo, Cultura e Lazer;
.. Submedida 1.3. Outras ações materiais;
... Ação 1.3.1. Centros de promoção e Comercialização do Douro/Tâmega;
... Ação 1.3.2. Preservação e Valorização de Espaços de Cultura e Lazer;
... Ação 1.3.3. Complementos a investimentos em equipamentos sociais e culturais;
... Ação 1.3.4. Itinerários;
. Medida 2. Ações Imateriais;
.. Submedida 2.1. Formação profissional;
... Ação 2.1.1. Cursos Monográficos;
.... 2.1.1.1. Tratamentos Fitossanitários (1);
.... 2.1.1.2. Utilização de herbicidas e adubos químicos (1);
.... 2.1.1.3. Podas/Enxertias (1);
... Ação 2.1.2. Ações de Média Duração;
.... 2.1.2.1. Certificação de Produtos Tradicionais de Qualidade;
.... 2.1.2.2. Promotores do Património Natural e Cultural;
.... 2.1.2.3. Animadores de Atividades de Tempos Livres;
.. Submedida 2.2. Outras ações imateriais;
... Ação 2.2.1. Apoio a iniciativas de divulgação, preservação e valorização do potencial local;
... Ação 2.2.2. Sensibilização da comunidade para a temática do desenvolvimento local;
... Ação 2.2.3. Promoção e Animação do Interflúvio Douro/Tâmega;
. Medida 3. Aquisição de Competências;
. Medida 4. Despesas de Funcionamento do GAL;
.. Submedida 4.1. Recursos humanos;
.. Submedida 4.2. Informação e publicidade;
.. Submedida 4.3. Sistema de informação;
.. Submedida 4.4. Avaliação;
.. Submedida 4.5. Despesas correntes;
.. Submedida 4.6. Aquisição de Equipamentos e Serviços Complementares.

COOPERAÇÃO
- Parceiros de cooperação interterritorial: Ader-Sousa; Adril; Adrimag; Adriminho; Athaca; Beira Douro; Probasto; Sol do Ave
- Parceiros de cooperação transnacional: Gal Parténio - Valle Caudina; Gal Alto Casertano; Gal Colline Salernitane;Gal Flevoland; Adirn;